terça-feira, 27 de setembro de 2016

NUNCA IMAGINEI



Tudo estava branco. 
A única coisa que eu lembrava da noite anterior foi uma briga horrível que tive com a minha esposa, Jenna. Ela segurava uma faca na mão e gritava comigo após descobrir que eu a traia com sua irmã, Célia. Após isso, só lembro de estar deitado no chão, sangrando e ela pedindo desculpas pelo que fez.
E agora estou aqui. Não sei se isso é uma sala, um corredor, ou algum lugar no além. Não sei se morri. Eu nunca acreditei em vida pós morte na verdade, mas o que será isso?
Comecei a caminhar sem rumo. Acho que se passou 1 hora ou mais, se é assim que se conta no mundo dos mortos, até que ouvi uma voz... Bem de longe podia ouvir alguém chamando meu nome, Barty. Nunca senti um frio na espinha tão grande, era como se algo morto, gelado, me chamasse. Mesmo assim continuei andando, não porque eu queria, minhas pernas tinham tomado vida própria. Aquilo sempre acontecia, eu era muito curioso, e em circunstâncias como essa, eu andava ao menos sem perceber, mas dessa vez era diferente. Eu não estava nada curioso, eu queria parar, não entendia porque aquilo estava acontecendo. Era como se algo me puxasse e eu não conseguisse controlar. 
Eu tentei correr para o lado contrario, mas era como se minhas pernas não pertencessem mais a mim. Será  que era algum efeito do mundo sobrenatural?
Agora eu estava em uma sala ampla, vazia e eu a vi. Lá no fundo da sala, de costas uma linda mulher com seus cabelos longos e soltos, vestida até os pés com um vestido branco. Era minha esposa. Reconheceria ela em qualquer lugar, de qualquer forma, mas dessa vez ela estava estranha, diferente. Sua voz estava seca, sem vida, estava mais magra que o normal, e parando para perceber agora, seus braços estavam em carne viva. Meu coração acelerou. Será que ela também tinha morrido? E se tivesse, porque ela está dessa forma e eu não, já que foi ela quem me matou.
Tentei chamar seu nome, mas não saia voz da minha garganta, aquilo era agoniante.

- Barty, Barty meu querido. - ouvi Jenna me chamar. Com certeza algo tinha mudado, eu precisava saber.
- Jenna meu amor, me perdoe por tudo. Eu não sabia o que estava fazendo, foi um mero acidente. Você tem que me perdoar. - supliquei.

Jenna começou a rir. A risada cortou o ambiente igual vidro caindo no chão. Foi excruciante.

- Barty meu querido. - ouvi Jenna dizer, ainda rindo, meu estômago embrulhava. - Sabe onde nós estamos? Acha que merece o meu perdão? Não existe perdão para quem está morto.
- Morto? Na verdade, eu já imaginava... Você que me matou Jenna? Por causa de uma traição? Você não poderia ter me perdoado? Poderíamos ter resolvido tudo, e estaríamos agora com nossa filha, em casa, em paz.

Nesse momento eu me dei conta de que tinha esquecido totalmente de Agatha. O que será que tinha acontecido com ela? Será que Jenna também a matou? Não era possível! Que tipo de mãe seria ela? Até entendo que minha esposa tivesse me matado, mas não a nossa filha. Jenna ainda ria.

- Não se preocupe com Agatha. Ela está bem, está aqui conosco. Nada melhor que a família reunida. - disse Jenna

E ela finalmente se virou. Não sei se susto é a palavra para definir esse momento. Talvez nojo e repugnância definam. A barriga de Jenna estava aberta, eu podia ver sua caixa torácica quase por completo, seu vestido estava todo manchando de vermelho. Seu rosto desfigurado, ela já não tinha mais um olho, seu nariz já não existia e era possível ver o formato exato da sua mandíbula. Senti uma enorme vontade de vomitar. Se eu estivesse vivo, com certeza vomitaria, mas acredito que isso não aconteça com os mortos. 

- Gostou? - ela me perguntou com um sorriso sarcástico.

Engoli seco. As palavras sumiram da minha boca, não soube mais o que pensar, o que falar. O que teria acontecido com ela?

- Sabe Barty... Depois de eu descobrir que você se divertia com a minha irmã, você sabe, te dei uma facada no coração. - ela riu baixinho. - Logo depois, peguei Agatha e sai de casa. Sofremos um acidente, batemos o carro e agora estamos aqui, com você. Você quer vê-la?
- Agatha querida, venha falar com seu pai. - disse Jenna. O rosto dela expressava vingança, ódio. 

Ela queria me fazer sofrer, eu sabia disso. Por uns instantes eu pensei que iria desmaiar, mas sensação se tornou ainda pior quando eu a vi, do outro lado da sala uma porta de abrindo, e dela saindo Agatha, com o rosto tão desfigurado quanto o de Jenna. Seu rosto estava encharcado de sangue, sua boca não tinha mais dentes, sua bochecha estava em carne viva, e ela sorria para mim.
Minha visão embaçou, tudo o que era branco ficou preto, e eu só ouvia uma risada longe, e Agatha dizendo com uma voz tão fria quanto a de Jenna:

- Bem vindo Papai. Estávamos esperando você, se prepare para pagar pelos seus pecados.


Conto por: Isabelle Freire

Um beijo, Izzy.




domingo, 25 de setembro de 2016

Escrevendo um livro - A Saga P.3 : Boas e Más Noticias

(Nome do meu livro ♥)

No último "Escrevendo um livro - A Saga", eu contei sobre o meu descaso ao escrever. Sinceramente eu não imaginava que iria parar de escrever meu livro e ficar tanto tempo sem tocar nele, mas infelizmente aconteceu.
No post de hoje eu trago BOAS E MÁS noticias.  

Começando pela má, eu realmente não consegui criar coragem para voltar a escrever o livro, o que é uma grande m****. Me sinto muito decepcionada comigo mesmo. Investi muito em ideias e muito planejamento para parar sem ao menos ter escrito a primeira página, e isso é muito frustrante. Espero muito voltar a escrever, nem que seja daqui a alguns meses, apesar de eu achar até bom essa pausa, pois as ideias vão amadurecendo, e algumas coisas que eu achava que eram boas, possa ser que elas possam melhorar ou tirar. Acredito em um amadurecimento da ideia, entendem?

E a boa noticia é que não estou parada na escrita. Eu fui convidada por um colega para colaborar com o blog dele escrevendo contos, e ele também estará escrevendo aqui para o blog. E o engraçado é que eu nunca escrevi nenhum tipo de conto. As pessoas antes de escrever um livro escrevem pequenas historias, e já eu não, fiz o contrario rs. Estou bem feliz por escrever esses contos, porque é algo diferente e que estimula muuuuito a criatividade, o que é ótimo para quando eu voltar a escrever meu amado livro. 
Esse colega estará postando os contos criado por ele aqui no blog, e eu também estarei postando alguns contos ao decorrer da semana para vocês.
E é isso aí, espero muito que gostem!!

Um grande beijo, Izzy.

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

EGO

Vejo o inimigo no espelho.

Nós realmente tínhamos de tudo, não, não. Ele, o Edgar tinha de tudo. Ele tinha o melhor emprego da cidade, e era respeitado por todos, patético. Era um cargo de advocacia, o mais prestigiado de toda Albuquerque, e eu ainda nem comecei a falar das suas fortunas no exterior, sim porque ele havia criado firmas em outros países e o negócio ia muito bem.
Nós tínhamos duas filhas, não, digo, ele tinha. Era realmente duas garotas encantadoras, a mais nova fazia ballet clássico, já a mais velha pintava como poucos artistas, e o dom não parava por aí, eram graciosas no canto, musicistas. Ambas compartilhavam de um amor incondicional por nós, digo, por ele.
E a Olga, tão linda, tão sublime. Nós costumávamos passear  no parque todas as sextas, não, digo, ele costumava. A Olga tinha uma beleza incomparável, era a modelo mais linda de toda Albuquerque, e o mais incrível é que ela não estava lá pelo dinheiro que nós possuíamos, não, digo que ele possuía. Ela o amava. Eles tinham uma forma de se olhar, que transmitia o amor de um para com o outro sem ser preciso dizer uma palavra.
Quando o Edgar me conheceu, todos mostraram suas verdadeiras faces para ele, miseráveis. Eu era generoso, eu contava tudo para o Edgar. o Edgar me conheceu se olhando no espelho, e viramos amigos na mesma hora. Nós nos casamos, e tudo que é dele, também é meu. Eu não tenho culpa se ele preferiu a mim, do que as duas filhas mimadas. Não tenho culpa se ele preferiu a mim, do que a sua esposa que eu tenho certeza que traia ele naqueles desfiles. E não tenho culpa se no trabalho dele, todos queriam derrubá-lo por conta da inveja.
Depois que o Edgar me conheceu, chamaram ele de louco, só porque ele conversava comigo e ninguém me via. Vocês internaram o Edgar, tentaram separar a gente, então eu expulsei o Edgar, e agora só sobrou eu aqui. Vocês estão felizes?!

Conto por: Adonai Campos


Olá pessoal! Meu nome é Adonai Campos, tenho 20 anos, sou a criador do Linha Tênue Blog, e fui convidado para colaborar com o Essencialmente {EU} . Estarei postando contos de todos os tipos semanalmente aqui no blog. Espero muito que tenham gostado do "EGO", e não esqueçam de visitar o Linha Tênue Blog. :D

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Meus Materiais de Desenho Iniciante



Depois  de muita vontade e pouca coragem, venho eu a este blog mostrar para vocês meus materiais de desenho iniciante. Como eu já tinha dito em outros posts, eu voltei a desenhar de uns tempos para cá, e estou muuuito feliz com isso, tem me divertido muito!!
Bom, para começar tenho que dizer que os meus materiais são todos BEM iniciantes. Estou aprendendo agora, sei muito pouco e estou na fase de descobertas da pintura e desenho.
Então vamos lá!


A primeira coisa que você deve investir ao começar a desenhar, é no papel. (Sério Isabelle? Nossa, nunca pensei nisso.) Eu sei que é uma coisa óbvia, mas nem todo mundo desenha em um local apropriado. Minha dica para vocês é comprarem, ou fazerem um Sketchbook. E o que é um Sketchbook? Nada além de um caderno para desenhar. Nele você guarda todas das as suas tentativas de desenho, todos seus desastres e todas suas conquistas ao desenhar. É muito útil, garanto a você! Ele tem de vários tamanhos, o meu é A5, que é metade de uma folha de oficio A4. 




Acredito que para começar a desenhar, a coisa fundamental é ter LÁPIS, CANETAS E BORRACHA. Os lápis que eu tenho, são ambos da marca ECOLE, o totalmente preto é um lápis 100% grafite, ou seja, não tem madeira nele, você desenha com todas as partes possíveis do lápis e não precisa apontar (eu fiz essa cagada e acabei com a ponta do lápis D: ), e ele é HB2, aquele lápis com a escrita bem clarinha, gosto bastante dele. O outro lápis Azul com Laranja, também da Ecole, é o B, e tem a escrita bem mais grossa. Gosto muito dele também, porque as marcações são mais fortes e mais precisas. Comprei os dois em uma loja aqui na minha cidade, creio que eles são fáceis de achar.

Eu uso duas canetas. Uma é da TRIS, 1.0 mm da cor preta, e é simplesmente uma PORCARIA. TRIS é uma marca que eu gosto muito, minhas primeiras aquarelas eu comprei dela, poréeeemmm, essa caneta é péssima. Falha muito, só escreve quando quer, marca o papel, estou arrependida de ter comprado. Já a outra caneta é da BIC, aquela BIC comunzinha mesmo de escola. Ela é ótima para fazer contorno, é macia e fácil de usar. Recomendo! 

Agora as borrachas. Assim que eu comecei a desenhar eu usava essa borracha cor de rosa da foto. Não faço ideia da marca dela, nem faço ideia de como ela foi parar na minha mão, então não sei a referência dela para dar a vocês. O maior problema desas borracha é que ela esfarela MUITO, muito mesmo! Apesar de ela apagar muito bem, os farelos incomodam demais. Já a caneta-borracha que é da PENTEL é muito boa. Comprei ela pela Kalunga , por R$ 7,00 e pouquinhos. Não me arrependo, ela é muito boa, esfarela muito pouco e apaga muito bem. Acho super necessário ter uma dessa porque ela é muito útil.




Esses lápis de cor da foto são da marca VMP, eles tem 12 cores. Comprei eles a muito tempo atrás para pintar meu livro de colorir, e simplesmente detestei. Os lápis são péssimos! A pigmentação quase não existe, você tem que ralar muito para ter uma pintura de verdade com ele, e mesmo assim não consegue ter lá um bom resultado.

Depois da frustração com esse bendito lápis, resolvi que deveria comprar novos. Se passaram muitosss meses até que tomei coragem e comprei os lápis de cor da Happy Time.



Imaginem um lápis BBB (Bom, Bonito e Barato), então É ELE! Estou muito apaixonada por esses lápis! Eles são muito bem pigmentados, vem 36 cores e por um preço de banana. Eu comprei a caixa por R$ 13,60 na Kalunga, e não me arrependo nadinha. 

Outra coisa que eu comprei e não me arrependo porque é bom demais pintar com eles, são canetinhas hidrográficas. Fiquei totalmente apaixonada quando vi as pessoas pintando com elas que quis muito comprar, ai fui e comprei. 




Essas canetinhas são da ACRILEX, marca muito boa por sinal, são 24 cores e são ótimas para pintar. Elas não são profissionais, bem longe disso na verdade, são escolares mas mesmo assim não tenho arrependimentos. Comprei a caixa por R$ 16,99 em uma lojinha da minha cidade. A cores são ótimas, bem pigmentadas, e o único probleminha é que elas não se misturam, ou seja, amarelo com vermelho não vai virar laranja, então não insista se não quiser seu desenho rasgado. 

ABAIXO AS CORES DOS LÁPIS E CANETAS HIDROGRÁFICAS CITADAS ACIMA:





E para terminar, o meu amor maior da pintura, AQUARELAS ♥ 




De todas as coisas que eu disse acima, a primeira que eu comprei foram as minhas aquarelas ♥ Tenho muito amor pela pintura, ainda mais do que pelo desenho. A muuuito tempo venho querendo comprar essa belezuras, mas minha falta de compromisso não me possibilitou. 
As minhas Aquarelas, são da PENTEL, ela vem com 12 cores, mas também tem a versão de 15, 18 e 24 cores. São bem pigmentadas, as cores são bem vivas,  se misturam muito bem entre si, e gama de cores é bem satisfatória. Elas rendem bastante, um pouquinho só já da para pintar uma grande área e sobra pra caraca, então cuidado com a quantidade que for usar.


Os pinceis que eu uso para aquarelar são esses 5 ai, sendo que os que eu mais uso de verdade são os da Condor. Eles são ótimos, bem macios, o pelo do pincel é bem legal e eles tem um custo-beneficio satisfatório. A Referência deles é 477, Nº 20 e Nº 14. Comprei os dois por R$ 19,00 e alguma coisa, e os outros 3 pinceis da foto não são meus, são do meu irmão de 9 anos, e as vezes me ajudam bastante na pintura rs. Não tenho referência de nenhum deles.



Esses ai são meus dois amiguinhos nos meus desenhos e pinturas também. Uma vela e uma Régua! A Régua segue sua função normal, que é medir, traçar linhas retas e tal, e a vela serve como impermeabilizante, ou seja, no caso de uma pintura em aquarela, as partes que eu não quero que a tinta (que é aguada, certo?) toque, eu passo a vela e ela impermeabiliza o lugar não deixando que a água ultrapasse. Legal né? Vivo usando isso agora, rs.

E para terminar de vez, porque esse post já está gigante, segue alguns dos meus desenhos. :D









E é isso ai pessoal! Espero que esse post tenha sido útil, e que ajude vocês a se situarem nessa vida de desenhista iniciante.

Um beijo, Izzy.


CURTA NOSSAS REDES SOCIAIS: 


sábado, 17 de setembro de 2016

LER : Vício sem fim ♥

(Imagem: We heart it)


De uns 5 anos para cá eu desenvolvi um maravilhoooooso vício pela leitura. 
O primeiro livro que eu li na vida foi Romeu e Julieta de Willian Shakespeare, e eu amava muito! Apesar de ter sido o primeiro livro que eu li, não foi o livro que abriu os meus olhos para a leitura, ele só foi  o inicio de tudo isso.
Quando eu estava na 6º série, eu tinha uma amiga chamada Vanessa (Nome Fictício) que estava muito, muito viciada por um livro chamado Fallen. E foi a partir dai que tudo começou. Fallen foi "O" livro da minha vida com certeza, foi ele que me "mostrou" como ler é bom, e como faz bem para a pessoa. Eu engoli o livro em 3 dias, e depois disso nunca mais parei. Infelizmente nunca consegui ler todos os livros da série, li somente os 3 primeiros, creio eu que ainda faltam dois. Mas esse três que eu li foram simplesmente incríveis. Caso você esteja procurando um livro bom para ler, leia Fallen, é muito bom mesmo!  
Após ele, eu me aventurei de vez nos livros. Eu não sou do tipo que lê todos os estilos, os que eu me identifico mesmo são os de Ficção e Fantasia, sou apaixonada por esses dois. 
Hoje em dia eu me considero uma louca viciada por livros sim! Uma coisa que eu considero muito ao ler um (e ao escreve-lo também), é que as primeiras linhas já devem me cativar, porque se isso não acontecer, ADEUS, eu paro de ler. Tem alguns que eu até dou uma segunda chance e leio o primeiro capitulo todo para me certificar se eu vou gosta ou não, mas normalmente é assim.
Outra coisa é que eu não consigo ler livros únicos, aqueles que só tem um volume, sabe? Eu só leio livros que tem 3 ou mais na série dele, não sei oque é, mas sou muito atraída por livros assim. E se eu realmente gostar muuuuuito do livro, eu leio a série dele em 1 mês independente de quantos livros sejam. Harry Potter e Instrumentos Mortais, por exemplo, eu li em um mês. Para mim é muita coisa, e para você?

Para finalizar esse post eu necessito indicar para vocês alguns livros espetaculindos ♥, que são:

(Imagem: We Heart it)
OBS: São 7 livros + 1 que lançou esse ano (e que eu ainda não li) :D


♥ HARRY POTTER: Óbvio, um clássico. Todo mundo conhece e quase todo mundo ama. É muito bom, a historia é super bem feita, a narrativa super fluida. J.K arrasa!

(Imagem: We Heart It)
OBS: São 6 livros no total

♥ INSTRUMENTOS MORTAIS: Não tenho palavras para descrever como esse livro é bom. Sério. A 3 anos atrás eu assisti o filme e me APAIXONEI. Esse ano eu li os livros, e Meu Deus, é muito bom, muito mesmo. 

(Imagem: We heart it)
OBS: São 5 livros no total

♥ A SELEÇÃO: Eu não dava nada por esse livro, sério mesmo. Nunca fui muito fã de livros que é romance puro, mas esse ai, é tão, tão, tão apaixonante que não tem como não gostar! A história é super fofa, os personagens uns amores MAXON MOZÃO ♥ , é tudo muito lindo. 

(Imagem: Créditos)

♥ NOVE REGRAS A IGNORAR ANTES DE SE APAIXONAR: Esse livro foi bem surpreendente para mim, muito mesmo. Você lê esse titulo super inocente, mas quando abre o livro, misericórdia, longe disso. Uma palavra para definir esse livro: QUENTE. Se você gosta desses tipos de livro, leia. Eu não sou muito fã, mas não posso dizer que ele é ruim.


No momento só lembro esses. Tem outros que eu gosto muito, masss... eu consulto meu kindle em outra hora. rs Brevemente faço uma resenha desses livros para vocês.

Um beijo, Izzy.

CURTA NOSSAS REDES SOCIAIS: 



quinta-feira, 15 de setembro de 2016

A Síndrome da ansiedade SEM NECESSIDADE

(Imagem: We Heart it)
NECESSITO FRISAR QUE A DICA Nº 2 É ÓTIMA!

Uma coisa que eu sou, e DETESTO ser, é ansiosa.

Eu não aguento esperar por nada, pra mim tudo tem que ser hoje, e agora; no máximo amanhã. Quando eu resolvi voltar a desenhar (Antes de hoje em dia, isso a uns 3 anos atrás), eu queria minhas tintas HOJE, meus pinceis HOJE, e ser simplesmente uma pintora incrível HOJE. E isso, é MUITO ruim.A ansiedade é algo que atrapalha muito a minha vida, e acredito que a vida de muitas outras pessoas também. Para quem não é, é difícil entender a necessidade de tudo acontecer logo para a ansiedade acabar.A alguns dias eu tenho esperado chegar uma encomenda que fiz em um site, e desde que eu fiz essa compra, eu não consigo mais parar de pensar nela. Minha vida meio que para ao redor da coisa que me deixa ansiosa, seja o que for, uma festa, uma roupa, um sapato, um dia na semana, QUALQUER COISA MESMO.Quando eu era mais nova, eu até sofri de TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) por causa da ansiedade, e era péssimo! Comprei o livro EM CHAMAS - Jogos Vorazes, que eu era sou! apaixonada, e começou a partir dai. Coloquei esse livro na minha estante, e eu ia mais de 10x, sério, olhar se o livro estava lá, e isso foi crescendo a cada dia mais. Depois do livro o TOC passou para outras coisas do eu guarda roupa, até que eu fiquei de saco cheio e tentei me livrar dele. Graças a Deus eu consegui, apesar de eu não me sentir 100% livre dele, porque as vezes tenho recaídas, mas está muito, muito melhor que antes. Mas eu deixo essa história completa  de como eu conseguir vencer o TOC em outro post para vocês.

Ansiedade é algo sério. Para alguns é bem pior que para outros, e se você ai que estiver lendo sofrer de ansiedade séria, não deixe de procurar um médico.



Um beijo, Izzy.


CURTA NOSSAS REDES SOCIAIS: 


terça-feira, 13 de setembro de 2016

A Síndrome da Desorientação

(Imagem: Google)

Imagine só uma pessoa confusa com Direita e esquerda, pois então, essa pessoa sou EU. 
Sim, eu sei qual é a minha direita e a minha esquerda, sempre soube, eu nunca tive dificuldade em diferenciar. Mão direita, aquela q você escreve, esquerda aquela que é quase inútil. Massss, desde que entrei no ballet eu me deparei com uma ABUSURDA confusão mental de direções. Devido às danças nem sempre serem lentas, e os movimentos variados com troca de pernas, braços, giros e pulos, a cada dia que passa eu fico mais confusa para que lado seguir. Eu me acho totalmente idiota quando tenho que parar para olhar os meus pés ou mãos para lembrar qual é o lado direito e esquerdo.
Será que sou a única?
Meu professor de Ballet ultimamente tem tido um belo  triste trabalho comigo quando eu me perco nos passos. Se eu vou girar, giro pelo lado errado, na direção errada, com pé errado, com o braço errado. Meu Deus.
Eu me sinto bem chateada boa parte das vezes, por que antes eu não era assim (também porque eu não tinha a necessidade de ficar quase a semana toda pensando se devo estar com o  pé direito ou esquerdo na frente), mas fazer oque né? Só espero não ser a única nessa situação. É um pouco de loucura, sim. Mas eu sou tão desorientada que tô até acostumada, sabe? Confundo direita – esquerda, azedo  - amargo,  a pronuncia de J-G. EU SEI TODOS ELES. mas na hora de falar\ fazer, eu esqueço ou me perco.


Vai lá entender né?

Um beijo, Izzy.


CURTA NOSSAS REDES SOCIAIS: 

domingo, 11 de setembro de 2016

Escrevendo um livro – A Saga, P.2 : O Descaso

 ( Imagem: We Heart it)

A um mês e algumas semanas atrás, eu entrei na missão de escrever um livro. 
Foram semanas construindo ideias, escondendo brechas, escrevendo cenários, personagens, foi MUITO tempo gasto na construção desse livro. Tanto tempo para eu simplesmente PARAR, por PREGUIÇA. Sério gente, preguiça é uma porcaria. Você quer fazer a coisa, mas a falta de vontade de ir até la é mais forte que você.
Estou a um mês praticamente sem escrever NADICA DE NADA. A história está 90% pronta, os cenários 100% prontos, e a única coisa que faltava para começar a pôr a mão massa de verdade, era terminar de escrever sobre os personagens. Eu administro em média, 10 personagens no meu livro. Já que a história se trata de duas nações, há conselheiros, o povo, os presidentes (ou líderes como eu chamo), e suas respectivas famílias. Então são 10 PRINCIPAIS, e outros que eu creio que irão aparecer ao longo da história, ou seja, é MUITA gente para tomar conta (pelo menos eu acho). Mas fazer o que né, é a vida de quem escreve, faz parte.

A única coisa que eu espero, é que eu ainda volte a escrever. Eu tinha uma meta, escrever um livro para me realizar depois de tanto tempo tentando e não conseguindo, então eu PRECISO continuar a escrever. Espero que quanto eu escreve o próximo “Escrevendo um livro - A Saga”, que eu traga boas noticias. rs

Um beijo, Izzy.


CURTA NOSSAS REDES SOCIAIS: 

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

O Contexto da Guerra: Uma Reflexão


(Imagem: Google)

A Guerra sempre foi algo que me intrigou. 
Será que o poder, o dinheiro, recursos naturais, são mais importantes que uma (várias nesse caso), vida de uma pessoa?
Uns dias atrás, em uma aula de matemática, minha professora comentou que o pai dela serviu na 2º Guerra Mundial. Ele foi combatente, piloto de um a avião caça F-3, e um sobrevivente que viu seu vizinho e amigo, levar 7 tiros de metralhadora na barriga, e ainda continuar vivo para contar história.
Foram 2 meses servindo. 2 meses em que ele escapou de um ataque ao navio brasileiro devido a uma dor de barriga que não o fez embarcar, 2 meses ouvindo tiros, gritos de terror, e ainda voltar para casa com o psicológico afetado.
Pelo pouco que ela me contou, me causou um enorme espanto ao pensar no PORQUE  de uma guerra desse nível. Foram 6 anos, diversas mortes de crianças, idosos, homens e mulheres, cidades devastadas, fome e terror. E tudo isso pela nojenta ganancia e falta de compaixão dos seres humanos.
Eu sinceramente acredito que haverá uma 3ª Guerra Mundial. Não é algo que eu quero, mas a cada dia que passa o mundo piora, as pessoas pioram, e desse jeito não haverá um futuro para a humanidade. Será somente destruição, mortes, tristeza, e esse será o fim.


Se conscientize da vida. Pense na sua família, amigos, parentes, nas coisas que você gosta, e veja que vale a pena viver, e a partir disso comece a mudar as suas atitudes, as suas ganancias para a construção de um mundo melhor.  


Um beijo, Izzy.


CURTA NOSSAS REDES SOCIAIS: 

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

As Dores de uma Bailarina


(IMAGEM: We heart it)

Eu acho que o meu maior medo (ou receio) quando entrei no Ballet foram as DORES. Eu pesquisei muito, muito mesmo sobre isso antes de tomar a decisão de começar as aulas. Minha mãe me dizia que se eu chegasse em casa reclamando de dor, não iria fazer absolutamente NADA para me ajudar (Valeeeeeu mãe!), mas até que não foi tãaao ruim quando eu comecei.

Na minha primeira aula, meu professor me deu um baita susto quando disse que era para escalarmos na barra. Sério, eu sabia que tinha isso no ballet e tal, mas não esperava que seria tão cedo. E eu tenho que dizer, DOEU. Sério, foi uma dor super nojenta, mas o corpo acostuma.

No meu primeiro mês, as dores foram certas. Minhas pernas sempre doíam, meus braços e abdômen, mas nunca chegou a ser AQUELA dor insuportável que eu lia pela internet. Após o primeiro mês, a dor não existia mais, sério. Dou graças a Deus que eu não sou propensa a dores musculares, em pouco tempo em exercício meu corpo se acostuma e tudo passa. GLÓRIA!



Hoje em dia, eu ainda faço aula de ponta, e gente, meus pés só doem durante a aula, e é só tirar a sapatilha que as dores passam. Estou fazendo ballet a 8 meses, e uso a sapatilha de ponta a 6 meses, e somente agora estão surgindo bolhas nos meus pés, e isso porque a rotina de ensaio está pesado devido ao espetáculo desse ano.



Acho que as dores do ballet são besteira comparado ao amor que você sente pela dança. Eu me apaixonei pelo ballet sem motivo nenhum, e do NADA. Hoje em dia eu não sei o que seria de mim sem dançar, sem ver minhas amigas bailarinisticas, sem pôr a sapatilha de ponta e bailar. É muito amor, para um dor me fazer desistir.

Um beijo, Izzy.


CURTA NOSSAS REDES SOCIAIS: